COMUNIDADE - Rodney Mutter B.Sc., D.C. | Doutor em Quiropraxia

COMUNIDADE

Neste ano recebi minha cidadania brasileira.  É um processo que começou há anos atrás e, como qualquer processo burocrático, foi cansativo.  Quando fiz o pedido de cidadania era algo muito importante para mim.  Parecia ser necessário receber esta certidão para que eu sentisse que pertencia ao país.  Após iniciar o processo, tornei-me pai duas vezes e, como todos, amadureci, e o processo em si foi perdendo um pouco sua necessidade e importância, devido a minha nova família, às amizades, responsabilidades e à rotina que faz com que nos sintamos conectados a um lugar.

Quando busquei minha certidão e minha cidadania “tornou-se oficial“, senti que já não era tão necessária e nem tão importante como há anos atrás.  O fato de ter conquistado minha vida aqui foi mais do que necessário para curtir meu lugar dentro da cultura brasileira.  Então, nas semanas que passaram, senti algo que não esperava.  Senti que havia declarado meu lugar, não somente nesta cultura, mas diretamente nesta comunidade.  Esta sensação me fez muito bem e chamou atenção para o fato de que eu não tive `um lar` por muito tempo.

Desde os 17 anos morei fora de casa, e passei a maior parte da minha vida adulta viajando por outros estados e países.  Dediquei-me muito aos estudos e dei prioridade a minha profissão, deixando de curtir o conforto e a segurança que sentimos quando estamos em algum lugar familiar, perto daquelas pessoas que sempre conheceram a gente.  Disse tchau para minha família e muitos amigos mais do que queria e, em algum momento durante meu caminho, parei por um tempo de estabelecer raízes por medo de ter que levantá-las novamente e sofrer a emoção de deixar para trás aquelas pessoas mais próximas do coração.

Quem vive viajando entende bem que a sensação de liberdade de encontrar lugares e pessoas novas, após muito tempo, também vem com uma sensação de solidão.

A certidão que recebi me lembra a importância de participar de uma comunidade e trocar nossas experiências e conhecimento com outras pessoas.  Esta troca faz com que criemos laços com outras pessoas que, muitas vezes, fazem com que nosso dia-a-dia tenha mais sentido.  Esta participação cria raízes e permite que possamos curtir intimidade com as pessoas e sentir a segurança que surge, sabendo que existem pessoas por perto que são importantes para nós e vice-versa.  Também faz com que nos sintamos úteis e importantes na vida dos outros.

Cada um define sua comunidade.  Para alguns envolve a própria cidade onde mora, para outros são sociedades dentro da cidade, profissão ou outros círculos.  De qualquer forma, é necessário e importante doarmos de nós para aqueles que estão ao nosso redor, para que recebamos algo em troca.

Gostei de reencontrar esta sensação depois de tanto tempo, e a valorizo ainda mais lembrando tudo o que conquistei para chegar até aqui.  Agradeço a oportunidade de participar da vida de vocês, sentir-me útil e receber em troca sua amizade, confiança e respeito.  Talvez valorize ainda mais o fato de ter resgatado algo que perdi.  Muitas vezes a gente não reconhece o que está sempre ao nosso redor.
Uma das oportunidades que temos de participar na vida das pessoas e um dos deveres da comunidade é ajudar aqueles que mais precisam.  Este mês estou destacando o site da Olivinha e Nandinha.  Duas meninas especiais que estão pedindo nossa ajuda.  As duas sofreram anóxia cerebral devido a uma queda na piscina.  É o sonho dos seus pais levar as duas juntas para a China onde elas possam fazer um tratamento de célula-tronco para facilitar na recuperação de sua saúde.

Conheço a Nandinha há 6 anos e acompanho sua recuperação até hoje.  O acidente mudou a vida dela e de todos ao seu redor.  Sinto-me inspirado ao observar o otimismo e a maturidade de sua família por reconhecer o lado bom que esta experiência trouxe.  Mesmo sendo limitada no seu dia-a-dia, ela e a família reconheceram o potencial dela e a importância uma para outra. É um prazer ver a Nandinha seguidamente e participar da sua recuperação.

Este é o link do site.  http://www.olivinha.com.br/. Convido vocês a entrarem e conhecer melhor a história de cada menina, suas famílias e seus sonhos.  Se você tiver vontade, há explicação no site sobre como ajudá-las na volta à saúde plena.

Mais uma vez agradeço a cada um de vocês e obrigado por me proporcionar este lugar nas suas vidas, sua cultura e por sua confiança em mim.  Valorizo sua participação em minha vida, independente de ela ser pequena ou grande, vocês que fazem minha conexão com nossa comunidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *