O REI DO POP - Rodney Mutter B.Sc., D.C. | Doutor em Quiropraxia

O REI DO POP

Agora que passou um pouco de tempo, as notícias de Michael Jackson estão ficando cada vez menores.  Duvido que ele seja esquecido, mas lembramos que para nós a vida continua.
Para muitos, isso envolve compromissos e responsabilidades e a vida pode, às vezes, parecer muito rotineira.  Muitas vezes, essas pessoas que a gente idealiza, parecem surreais e fazem com que nos sintamos inferiores ou inadequados.  Gostaria de reconhecer o que Michael me ensinou.

O que mais fica marcado em minha mente é o contraste entre Michael no palco e Michael na vida real.  No palco ele era realmente o rei do pop. Não importa se você gostou ou concordou com o estilo dele, mas não podemos negar seu dom de captar e inspirar o público no palco.

Em contraste, na vida real, ele parecia alguém muito pouco evoluído e com medo de todos, até dele mesmo.  Parecia uma criatura tão frágil e perdida e este lado, para nós, foi desnecessário.

Quando olho os clipes do Michael cantando e dançando, fico feliz em ver que ele descobriu e aproveitou seu palco.  Ele realmente entendeu porque ele nasceu e, em parte, qual era seu propósito neste mundo.  Sua participação em nossas vidas inspirou muitas pessoas a melhorar nosso mundo.

A maioria das pessoas nunca encontram seu “palco“.  Muitas deixam de descobrir seus dons e viver vidas completas e realizadas.  Elas se acostumam com menos do que querem em sua vida e procuram conforto em atos superficiais para se convencer que estão realizadas.

Cada um tem sua desculpa e seus motivos fazem sentido na interpretação do mundo ao seu redor.  Acredito que um dos fatores que faz com que o ser humano deixe de viver uma vida completa é a falta de fé.  Temos uma mania de acreditar que os outros são melhores do que nós e que não iríamos conseguir tanto quanto os outros.

Outro motivo comum é o medo.  Medo de abrir mão de algo.  Medo de perder, medo de que não daria certo, medo que o mundo vai rir ou que não vão gostar de mim.  Qualquer que seja o motivo que faça a gente desistir dos nossos sonhos ou de descobrir tudo o que somos, é triste e tão desnecessário quanto a insegurança e a falta de caráter que Michael mostrou em sua vida `real`.

Todos nós nascemos para sermos estrelas.  Cada um tem um lugar onde brilha melhor.  Para Michael era no palco, literalmente, dançando e cantando.  Para outros não é algo tão mágico, mas pode ser tão ou mais importante.  O que importa é reconhecer quem você é e desenvolver seu dom.

Se Michael tentasse ser psicólogo ou vender carros, podemos concordar que não daria muito certo.  O que o fez ser tão exemplar é que ele estava cumprindo seu papel e no lugar certo.

Não são todos os nossos dons que vem com facilidade. Como sabemos, a vida do Michael era difícil.  Desde cedo, ele se dedicava para se tornar o astro que ele era.  Muitas pessoas reconhecem seu dom, mas tem preguiça de desenvolvê-lo.  Ninguém disse que a vida é fácil, mas vale a pena sim, e dá bastante retorno quando fazemos tudo de coração e com as intenções corretas.

Encontre seu palco, qualquer um que seja.  Cante, dance ou faça qualquer coisa que você nasceu para fazer.  Não porque todo mundo está te olhando, mas simplesmente porque você nasceu para fazer isso.

Quando você brilha, o mundo irá aplaudir, porque ele também fica melhor quando você está no seu palco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *